Sunday, May 13, 2012

A primeira vez...

Ah… o amor…

Que eu me lembre, me apaixonei pela primeira vez aos 7 ou 8 anos de idade. Ele tinha lindos cabelos loiros com corte de tigelinha, estudava na mesma escola que eu e não fazia a menor idéia da minha existência.

Na minha imaginaçãozinha malditamente fértil, éramos namoradinhos e ele era tão apaixonado por mim quanto eu por ele. Nunca nos falamos mas, ainda assim, eu alimentava esperanças de que um dia ele me notasse e essa esperança era suficiente para que eu continuasse a afastar meu coleguinha de ônibus de ter qualquer "idéia" comigo.

Desde criança, meu coraçãozinho faz escolhas duvidosas e sofre por elas… Mas fazer o que, né? Dizem que é a vida…

Pode me falar o que for, mas pra mim, foi amor! Eu não me lembraria dele até hoje se não tivesse sido amor! Certo?

Só sofri. Foi o amor me dando a primeira amostra de como seria o resto da minha vidinha. Pena que eu não tinha idade suficiente pra entender o recado e tentar me armar, mas também, quem garante que adiantaria? O amor é faceiro… te pega por onde você menos espera…

15 comentários:

*** Bisss *** said...

Meu primeiro amor foi aos 7 anos.
Ele era tudo aquilo que não me atraí hoje : moreno , de grandes olhos verdes e cabelos negros como índio.
Foi um amor de anos ,precisamente 5 pq fiquei platonizando e escrevendo inúmeras cartas de amor pra ele até meus 12 anos .Esqueci de mencionar que eu tinha uns 7 e ele já tinha vários....uns 15 acho rs.
Mas ele era do time de vôlei do colégio e depois que terminou o 3º colegial ainda ia diariamente treinar lá.

Ele vivia me pegando no colo, mexendo nos meus cabelos cacheados e comprando balinhas e bombons. Era um tempo legal e inocente onde o termo pedofilia nem tinha no dicionário rs.
Mas depois do Morgado ...esse era o nome dele rs , vi que crescer e amar ia ser complexo para o resto da vida.

Mas tudo bem...sou do tipo que perde o amor mas não perde a piada rs.

Thais Roland said...

Ain, gente.. é tão lindo amar pela primeira vez, né? Só que não. hahaha.. Em geral, não é como nos filmes, que sempre dá certinho... pena... Talvez fosse perfeito!

Anderson Dutra said...

Eu já fiz várias coisas por amor, ou pelo menos o que eu acho que é amor. Na verdade não sei dizer se o que eu senti até hj pode ser considerado amor. Já escolhi fazer um curso só pq a pessoa que gostava estaria nesse curso. Hj faço parte de um coral por que quero, gosto das pessoas que fazem parte desse grupo e estou nele faz 8 anos. Mas entrei nele por causa de uma menina. Quando a menina popular da escola não me dava bola, eu ia lá e puxava o cabelo dela (isso aos 8 anos, hj no máximo chamaria ela de feia). O engraçado que cada ano eu tinha uma paixão. Nesse exato momento uma paixão da adolescência voltou a minha vida. E pode ser que 10 anos depois eu finalmente fiquei com ela. Mas não sei ainda o que ela sente, anda dificil nos encontrarmos e não sei bem qual o próximo passo a dar e não jogar tudo para o alto.

Thais Roland said...

Anderson, sou da teoria de que SEMPRE é amor! Não importa o que as pessoas digam! E acho que a gte sempre tem que fazer mesmo as coisas pelo amor, mesmo que ele seja um vadio. :)

Liana Carmo said...

ih, meu primeiro amor foi tão estranho, não vou contar aqui nos comentários porque senão seria outro post...hahaha

Thais Roland said...

Seria não! Será! Logo logo vc entra como colaboradora do Vadio Amor! ;)

Ooops! Não era pra contar, né? hahahaha

Bela said...

Fiquei tentando lembrar quem foi meu primeiro amor, acho q foi um mocinho do colégio chamado Samuel, foi platônico, acho q ele nunca soube que eu o "admirava", enfim... já o segundo foi o Jordan do NKOTB, nossa! Desse eu lembro beeeeeeemmm, até hoje guardo agendas e mais agendas com minhas declarações de amor diárias a ele, todas melosas e sofridas, nossa, q amor, hehehehe

Liana said...

Bel, parece que você até já leu meu segundo post, tem a "presença" do NKOTB lá e também foi platônico...rs

Bela said...

Sério?!!! Nossa! Posta logo então :D

kellpris said...

Meu primeiro amor foi bobinho, por um menino lindo da escola, de olhos azuis e super queridinho que tinha na minha sala, isso foi aos 10. Mas o amor mesmo que me fez suspirar, perder o sono, locar várias fitas (ele trabalhava na locadora) foi na 6-7 série. Eu era daquelas que passava mil vezes na rua da casa dele, na sala onde ele estudava, nao tirava os olhos da educação fisica,... eu queria que ele tivesse sido meu 1 beijo ma ok não rolou nada..., burra mesmo, me arrependo amargamente, encontrei ele no face esses dias, continua um gatinho...

Thais F Roland said...

Ounnn. que fofinho! Adoro ouvir essas histórias. :)

E já rolou um papo pelo Face? ;)

kellpris said...

Nem conversei com ele, só adicionei eu fucei lá como sempre hahahhaha. Mas o coração levou aquele susto gostoso e me fez lembrar dos sentimentos bons do passado, é bom se apaixonar quando a gente é inocente, a gente nao se estrepa tanto como agora, rsss.

Thais F Roland said...

Hahahahaha! Me senti do mesmo jeito quando um dos meus primeiros namorados me adicionou no Face. Primeiro um susto e depois as lembranças... Estamos conversando, mas ainda não cheguei a uma conclusão tipo se é saudável ou meio arriscado. hahaha

Anonymous said...

hahaha Meu primeiro amor acho que foi aos 7 anos de idade. Me apaixonei por uma ruivinha que morava em um predio 2 casas depois da minha. Todo santo dia eu sentava no portão de casa 11:50 para ver ela passar, voltando da escola. Isso durante meses a fio. Todo dia quando eu deitava, dava pra ver o predio dela e ficava pensando nela... Me questionando por ter vergonha de chegar junto. Esta paixao durou anos! Chegou a ccopa de 1990 e faziam festa na rua após os jogos para comemorar. Um belo dia, quem eu avisto? Ela! Pedi para um amigo chegar nela e falar que eu estava afim. Ela veio! Com aqueles lindos cabelos ruivos e longos abaixo dos ombros, com aquele lindo rostinho com sardinhas e sorriso estampado. Pedi pra ficar com ela e ela me deu um beijo na boca. Que sensação foi aquela! Nunca mais senti nada parecido! Por ser criança na época e por pilha dos coleguinhas, nunca mais a procurei, mas não deixei de pensar nela. Pouco tempo depois, me mudei e nunca mais a vi. Passado uns 20 anos, resolvi participar da comunidade da rua no orkut. Quem estava la? Ela! Engraçado que senti algo diferente, o coração batei forte e tive aquela leve sensação de nervosismo.

Adicionei, começamos a conversar e contei essa história. Ela ficou chocada em saber, mas ficou muito feliz e agradecida. Hoje ela mora em outro estado, é casada, tem 2 filhos, etc...

Como eu conheço esse meu coração sem vergonha, achei melhor me afastar...rs

Liana Carmo said...

Que lindo! Uma história de primeiro amor que acabou bem (levando em consideração que quase nunca conseguimos nem beijo dos primeiros escolhidos), bem legal isto. Gostei!

Post a Comment