Friday, August 24, 2012

Ah, o moralismo...

Eu tinha certeza que a hora deste post ia chegar! Só não achei que o motivo seria tão triste.

Que eu me lembre, até agora, escrevi pouquíssimos posts que possam ser situados no tempo e em nenhum, absolutamente nenhum, cito nomes. Faço isso porque escrevo sobre MIM e sobre o que eu sinto, coisas onde o "quando" e o "com quem" simplesmente não importam. Em alguns casos, não digo nem o desenrolar da história, porque já seria tricotagem e não mais o foco do post e eu, definitivamente, não quero criar aqui uma cópia do blog da Bruna Surfistinha.

Pra quem está lendo meus posts e contabilizando com quantas pessoas eu fiquei, uma triste informação: vários posts falam das mesmas pessoas em situações diferentes e, a não ser que você seja eu, não saberá distinguir pessoas e épocas. Sinto muito.

Além disso, tenho 32 anos de idade e meu primeiro namorico aconteceu quando eu tinha 14! De lá prá cá muita coisa aconteceu e muitas pessoas passaram pela minha vida. Não comecei a sair com pessoas tipo na semana passada. Quando escrevo um post, pode ser sobre alguém da semana passada ou sobre alguém de 10 anos atrás.

Mas aí... isso nem importa! Sabe por quê? Porque eu estou tentando falar da idéia, não das pessoas.

Mas acho que o que me deixou mais chateada com a coisa toda nem foi o fato da pessoa não estar prestando atenção no que eu quero dizer nos posts. Acho que o que me deixou mais chateada foi a pessoa achar que pode moralizar o jeito que eu escolhi pra viver. Não não! O jeito que ela ACHA que eu escolhi pra viver, porque sério, NÃO dá pra saber com quem ou quens eu estou saindo ou deixando de sair lendo o Vadio Amor.

De qualquer forma, eu vou transformar isso, novamente, em idéia, porque é o que o Vadio Amor "is all about".

Aqui não é lugar pra moralistas mesmo. Se esperar o casamento pra perder a virgindade é o que te deixa feliz, go for it! Se viver tendo 15 parceiros simultâneos é o que te deixa feliz, go for it! Se comer/dar pra árvores e sofás é o que te deixa feliz, GO FOR IT! Eu odeio dar conselhos, mas acho que esse é do tipo que super vale a pena. Mande para as cucuias esse povo todo que diz o que você deve ser e como deve viver e faça as coisas do seu jeito. Muito tempo já passou pra gente continuar se vetando ou vetando os outros por fazerem coisas que sério, TODO MUNDO queria fazer e não tem coragem.


Seja responsável no seu emprego porque isso é o que vai garantir que você possa viver o resto da sua vida do jeito que você bem entender sem que ninguém meta o bedelho. E o dia que alguém vier te dizer alguma coisa, jogue na cara com todo o orgulho do mundo que você já gozou 15 vezes numa noite só e vá tomar uma cerveja. ;)

Pronto! Desabafei! Agora to pronta pra escrever os próximos posts normalmente. :D

9 comentários:

Du said...

Sinceramente, ridículo alguém julgar outra pessoa... Ainda mais por algo que todo mundo faz, fez, fará... Quem quer ficar julgando devia juntar essas energias para lutar por um país melhor e não ficar tomando conta do jeito de viver das outras pessoas, ou como você disse, como acham que é seu jeito de viver...

E independente de se é assim ou assado, faço coro ao seu foda-se...

Deixo aqui registrado o que sempre lhe falei: admiro muito sua coragem de se expor, num mundo hipócrita e machista como é esse que vivemos... Pessoas idiotas, preconceituosas, que acham que sabem tudo da vida para indicar o que é bom para todos, infelizmente, está cheio por aí, para encher mesmo o saco de quem é realmente honesto...

Thais Roland said...

É complicado, Du. Pior quando isso vem de alguém jovem e, teoricamente, "prafrentex". Quer dizer... a hipocrisia tá ao nosso redor o tempo todo, camuflada, escondidinha, pronta pra te dar um bote.

Mas aí... vou lá e faço o que quero mesmo e pronto.

Du said...

Jovem ser mais "prafrentex" é mais teoria que prática eheheh

Quando são adolescentes, provavelmente são mais "prafrentex" no conceito ninguém é de ninguém, blá blá blá... Mas só ter a primeira paixão que viram igual a maioria, pessoas ciumentas, controladoras, possessivas...

E esse prafrentex é mais no quesito beijos e amassos e namoricos do que sexo, no que toca o sexo, infelizmente, ainda a maioria aqui segue a escola made in USA ao invés da escola Européia, e resolve transformar tudo em tabú e como algo que deve ser reservado apenas para pouquíssimos....

Por outro lado, com a vivência e com a idade, algumas (e repito, algumas) pessoas amadurecem, vivem muitas coisas, aprendem que o que define você não é com quem transou, com quantos transou, como transou, se transou, etc... Põe de lado (não completamente rs) essa neura toda em torno do sexo, coisa que os jovens, na grande maioria, não conseguem fazer...

Bela said...

Disse tudo, mas... pra mim vale aquela máxima, todo moralismo tem um tanto de inveja.

Bjos, LINDA!

Anonymous said...

Escrever é um grande ato de coragem e de responsabilidade também. Formamos idéias e, algumas vezes, ajudamos a formar opiniões com nossos textos, ainda que esse não seja o objetivo.
Quem se propõe a escrever tem que estar preparado para qualquer tipo de crítica e/ou julgamento.
A crítica sempre é válida, pois podemos usar de forma construtiva. Já o julgamento é medíocre e para esse, apenas nossa indiferença.
A hipocrisia é uma merda.

DéboraLee said...

Ahasou.

Fabinho said...

pois é o que posso dizer tantos dizem que é imoral isto ou aquilo mas flutua em desejos em fantasias que nunca vai realizar por ficar preocupados do que as pessoas vão dizer, mas problema são deles quem pode faz foda-se os outros!!!!!!!!!

Thaisa said...

Esse texto me representa! ;)

Thais F Roland said...

Nossa, gente! Valew pelo apoio! Vcs são o máximo! :) Por isso continuo escrevendo sem medo. ;)

Post a Comment